Apartamento São Caetano

By João Morgado Photography

Partiu-se do desejo de recuperar um apartamento na Lapa, inserido num edifício de 1890, de si fragilizado pelo passar dos anos e pelas histórias que o tempo foi vincando nesta estrutura pombalina.

O edifício original, integrando 1 fogo por piso, é caracterizado pelas suas espessas paredes exteriores em alvenaria de pedra iluminadas a nascente e poente. A caixa de escadas surge adossada a uma das paredes do lote confinante e as três paredes-mestras – cruzes de santo André – percorrem os 4 pisos do edifício, paralelas aos dois alçados principal e tardoz. Por ultimo, as paredes em tabique delimitam, em excesso mas como a estrutura de madeira o exige, espaços com áreas não habitáveis.

O verdadeiro desafio encontra-se em potenciar a luminosidade em toda a casa, luz que a excessiva compartimentação à partida sufoca.

Em resposta, foi necessária uma intervenção a nível estrutural que exigiu o diálogo contínuo entre as diferentes partes colaborantes no projeto – a arquitetura e a engenharia – de modo a respeitar a memória do local. Na opção de abrir o espaço social, desfragmentando-o, ao mesmo tempo que a parede mestra, elemento separador da nova área de estar da zona de jantar, foi reforçada, restaurou-se a cruz que ali sempre existiu, peça que assume grande presença na casa.

A nível espacial, a proposta introduz uma nova instalação sanitária que serve também a área social da casa. A cozinha foi repensada na sua organização e materialidade, entregando o protagonismo ao mosaico hidráulico de padrão audaz, elemento tão português, que assume destaque na imagem neutra dos revestimentos deste espaço. A suite da casa serve-se de um novo quarto de vestir que por sua vez comunica diretamente com a instalação sanitária privativa num jogo formal e de cor que surpreende no percurso.

O contraste entre o antigo e o novo na casa pretende introduzir dois momentos na sua história.

Em primeiro lugar, o legado pombalino presente na cruz, na reprodução do desenho da carpintaria dos vãos exteriores e no uso dos materiais adequados conduz-nos ao contexto histórico. Por seu lado, o tempo de Hoje surge na desafogada reorganização espacial e na simplicidade presente no desenho dos vãos interiores – que traz em si a procura de luminosidade no rasgo da bandeira – oferecendo estes dons à nova geração e vivência do lugar.

 

It started from the wish to renovate an apartment in the historical centre of Lisbon, Lapa, housed in a building from 1890, itself weakened by the years and by the stories that time has imprinted in this Pombalino  structure.

The original building which integrates one dwelling per floor is characterized by its thick exterior masonry stone walls lightened from east and west. The stairs arise addorsed to one of the walls of the adjoining lot and the three structure walls – Saint Andrew’s crosses – run through the 4 floors of the building, parallel to the main and back facades. Small areas are bounded by fragile and thin walls – in excess nevertheless as the wooden structure requires – generating inhabitable spaces.

The real challenge would be to enhance the lightness that crosses the dwelling, light that the spaces’ compartmentalization apparently suffocates.

It was necessary to find an answer to a structural intervention that would involve a deep dialogue between the different parts in the project – architecture and engineering – so that the memory of the place would be respected.  When the social area was defragmented and became an opened area, as well as the supporting wall – separating element of the new living area from the dining area – was enhanced, the “Saint Andrew’s cross” was restored, piece of art and structure that has always existed assuming great presence in the house.

According to the spatial organization, the proposal introduces a second toilet that also serves the social area of ​​the house. The kitchen has been rethought in its organization and materiality, taking the hydraulic mosaic pattern as the spotlight, such unique Portuguese element, which assumes prominence in the neutral picture facing this space. The suite of the house serves up a new dressing room which in turn communicates directly with a private bathroom in a game of form and color that surprises along the path.

The contrast between old and new in the dwelling introduces two moments in its story.

Firstly, the pombalino  legacy that lies in the cross, in the reproduction of the design of the exterior carpentry spans and in the use of appropriated materials leads us to the historical context. Secondly, Today comes in the unobscured spatial reorganization and in the simplicity of the interior design offering these gifts to the next generation and living of this place.

Advertisements